EF08HI05) Explicar as rebeliões da América Portuguesa (em especial a Conjuração Mineira, a Conjuração Baiana e a Revolução Pernambucana), estabelecendo relações com os ideais iluministas, com as revoluções burguesas na Europa e com a independência das Treze Colônias inglesas na América.

(EF08HI10) Identificar a Revolução de São Domingo como evento singular e desdobramento da Revolução Francesa e avaliar suas implicações

 

 

 revolução dos escravizados em São Domingo 

A Revolução Haitiana foi uma grande rebelião de escravos e negros libertos que aconteceu na colônia francesa de São Domingos a partir de 1791. Essa rebelião conduziu a colônia francesa de São Domingos à independência e foi motivada pela grande exploração e violência do sistema colonial escravista francês naquela região.

Antecedentes

No final do século XVIII, a região que corresponde atualmente ao Haiti era colonizada pelos franceses e conhecida como São Domingos. A presença francesa ocorreu de maneira gradativa a partir do século XVI, quando a região – ainda conhecida como Hispaniola e sob posse dos espanhóis – passou a ser ocupada por corsários franceses que usavam a ilha de Tortuga como refúgio.

A posse da região foi transmitida para os franceses oficialmente a partir do século XVII, quando Espanha e França assinaram o Tratado de Ryswick, que cedia de maneira oficial a parte oeste de Hispaniola para os franceses. O sistema colonial imposto pelos franceses transformou São Domingos em uma das colônias mais prósperas do mundo, sendo inclusive conhecida como “pérola das Antilhas”.

Revolução Haitiana

No final do século XVIII, o sistema escravista imposto pelos franceses em São Domingos fez com que cerca de 40 mil franceses controlassem violentamente uma população de cerca de 450 mil escravos. A violência com a qual os franceses tratavam os escravos em São Domingos é citada em diversos relatos, como no caso de Jean-Baptiste de Caradeux, o qual permitia que seus visitantes atirassem laranjas na cabeça de seus escravos|1|.

Esse sistema escravista extremamente violento havia motivado inúmeras rebeliões em outros momentos em São Domingos, como no caso de François Mackandal, que fugiu e passou a realizar pequenos ataques contra franceses na região. A Revolução Haitiana iniciou-se de fato em 1791, quando os escravos rebelaram-se contra os franceses. Em poucas semanas, cerca de 100 mil escravos já haviam se rebelado.

Os escravos e os negros libertos da região foram fortemente influenciados pelos acontecimentos que se passavam durante a Revolução Francesa. Os ideais de igualdade entre os homens inspirou-os a lutar pela sua liberdade e por seus direitos. Os escravos lutavam pelo fim do sistema escravista, e os negros libertos lutavam pela equiparação dos direitos entre brancos e negros.

Com a rebelião, os escravos passaram a organizar-se e a lutar contra as tropas francesas que estavam instaladas na região. A força do movimento em São Domingos e os desdobramentos da Revolução Francesa resultaram na abolição da escravidão em todas as colônias francesas, incluindo São Domingos em 1794.

No decorrer dos acontecimentos no Haiti, todo o ódio que havia sido represado durante anos pelos escravos e negros libertos levou os escravos a cometerem atos de violência contra franceses. Foram comuns nesse período ataques de escravos e negros libertos contra propriedades de franceses, em que os donos e sua família eram mortos. Durante esse período de lutas, os haitianos foram liderados por Toussaint Louverture.

O movimento em São Domingos seguiu sob a liderança de Toussaint Louverture até 1802. Pouco antes, em 1801, sob o comando de Napoleão Bonaparte, foi enviada uma expedição para São Domingos para controlar a situação e restabelecer o sistema escravista que havia sido abolido em 1794.

As tropas franceses foram lideradas por Charles Leclerc, que, além de ter retomado o controle sobre a situação em São Domingos, também conseguiu aprisionar Toussaint Louverture. O líder haitiano foi enviado para a França em 1802 e permaneceu em uma prisão até a sua morte em 1803. Toussaint Louverture foi vítima de má nutrição e tuberculose.

Com a prisão e morte de Toussaint Louverture, a liderança da Revolução Haitiana foi ocupada por Jean-Jacques Dessalines, que reiniciou a luta contra os franceses e derrotou-os de maneira definitiva em novembro de 1803. Pouco tempo depois, em 1º de janeiro de 1804, foi declarada a independência de São Domingos.

Após a declaração de independência, Jean-Jacques Dessalines escolheu o nome de Haiti para o novo país que havia surgido. O nome foi escolhido em homenagem às populações indígenas que habitavam a região antes da chegada dos europeus. O governo do Haiti foi ocupado pelo próprio Dessalines. Após a independência, o Haiti tornou-se o único país das Américas que conquistou sua independência a partir de uma rebelião de escravos.

A Revolução Haitiana foi um evento de grande importância histórica, pois foi a primeira e única revolta de escravos bem-sucedida na história, além de ter sido um dos principais movimentos anticoloniais do século XVIII. Além disso, a Revolução Haitiana foi um marco na luta pela igualdade racial e social, tendo influenciado outras lutas por independência e emancipação na América Latina e no Caribe. 

https://mundoeducacao.uol.com.br/historia-america/revolucao-haitiana.htm#:~:text=A%20Revolu%C3%A7%C3%A3o%20Haitiana%20foi%20uma,Louverture%20e%20Jean%2DJacques%20Dessalines.&text=A%20Revolu%C3%A7%C3%A3o%20Haitiana%20foi%20uma%20grande%20rebeli%C3%A3o%20de%20escravos%20e,Domingos%20a%20partir%20de%201791.